POLÍTICA

Governo e Renamo longe de alcançar consenso nas negociações

O Governo procura empurrar para a Assembleia da República o debate sobre a descentralização.

O Governo da Frelimo e o partido Renamo continuam longe de alcançar consenso sobre a matéria da descentralização exigida pela Renamo, pelo Movimento Democrático de Moçambique, por partidos extraparlamentares e por algumas organizações não-governamentais.

Ontem, 16 de Novembro, os mediadores internacionais voltaram a reunir-se em sessões bilaterais, ou seja, sessões separadas, com cada uma das delegações mandatadas por Filipe Nyusi e por Afonso Dhlakama, numa tentativa de ouvir e fazer aproximar as partes sobre as suas contrapropostas apresentadas na passada segunda-feira em resposta à proposta dos próprios mediadores acerca da descentralização governativa.

Na terça-feira, os mediadores internacionais tinham dedicado o dia para, entre si, analisarem as contrapropostas que lhes haviam sido entregues no dia anterior.

Na sessão da manhã da quarta-feira, com os mandatários do Presidente da República, que durou pouco menos de uma hora, estes saíram aparentemente satisfeitos com o encontro que mantiveram com os mediadores.

Na sessão da tarde, em que os me mediadores internacionais se reuniram com os mandatários do presidente da Renamo, estes saíram com semblante carregado, o que foi justificado por alguns membros da delegação como “insatisfação por aquilo que foi o desenrolar das discussões na sala das sessões”, face à contraproposta apresentada pelo Governo.

A grande diferença entre as posições defendidas pelas partes levou os mediadores a pensarem na elaboração de uma nova versão da proposta que tinham apresentado anteriormente, e que já era a segunda.

O coordenador da equipa dos mediadores internacionais, Mario Raffaelli, disse, no final do encontro com a Renamo, que resta aos mediadores pegarem nas duas contrapropostas, hoje, quinta-feira, para elaborarem “uma nova versão de proposta para as partes”, a qual será a terceira proposta dos mediadores sobre a descentralização.

Embora não tenham sido reveladas as contrapropostas das partes, o CANALMOZ soube que o Governo pretende empurrar a discussão sobre a matéria para a Assembleia da República, onde o partido Frelimo possui a maioria.

Ainda ontem, antes dos encontros bilaterais com os mediadores, a “Rádio Índico”, uma estação emissora do partido Frelimo, noticiava com antecipação que “a descentralização exigida pela Renamo na mesa do diálogo com o Governo deve ser levada à Assembleia da República”.

Passa a ser proibido entrar com telefones na sala das sessões

Nas duas sessões de ontem foram introduzidas novas metodologias, e uma delas consiste na interdição de entrada de telefones celulares dos mediadores, dos membros da Comissão Mista e dos intérpretes.

Segundo apurou o CANALMOZ, a medida foi adoptada pelos mediadores internacionais e visa estancar a onda de interferências que as delegações têm estado a sofrer.

“O que acontecia é que alguns colegas nossos mandavam para fora mensagens SMS ou Whatsapp sobre o que era discutido na sala, e isso provocava interferências ou até mesmo pressões”, disse uma fonte.

Hoje, os mediadores reúnem-se entre si, para produzirem uma nova versão de proposta.

Fonte: Canal de Moçambique

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

5 Comentários

  1. num debate entre as partes antagónicas e difícil encontrar uma conclusão concreta pois cada um tem um determinado objectivo com a negociação,,,, sendo isso deveria-se logo a priori dar se fim as hostilidades ai sim poderia abrir-se um espaço as negociações porque durante muito tempo elas estão a ocorrer enquanto temos perdas de vidas .

  2. valdimar disse:

    Melhores coisa pra envitar mais sanguem é concordar com a proposta

  3. Paulo Matola disse:

    se a renamo matar inocentes numa de que esta a forçar o governo a se render se engana nos votamos e queremos o que decidimos força frente não desita

  4. Fernando Basílio disse:

    O país não pode parar por caprichos e vontade de um punhado de gentes

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
%d blogueiros gostam disto: