POLÍTICA

Chissano acusa Dhlakama de agir de má fé ao não desarmar a Renamo em 2014

O antigo chefe do estado, Joaquim Alberto Chissano, confessou que o não desarmamento do maior partido da oposição no país, foi a principal falha dos acordos assinados entre o Governo e a Renamo para o fim da crise político e militar no país.

“Em todos estes acordos, o que falhou foi o não desarmamento da Renamo”, disse Joaquim Chissano, falando à margem do lançamento do livro “Construindo um novo Dia”, uma iniciativa da Embaixada de Portugal na capital moçambicana, Maputo.

O antigo presidente da República, avançou ainda que o fim da crise política e militar na nossa pérola do índico ficou refém do desarmamento do partido comandado por Afonso Dhlakama e acusou o líder da “perdiz”, de agir de má fé ao não respeitar o principal ponto dos acordos Geral de Paz, de 1992, e de Cessação das Hostilidades Militares, de 2014.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

1 Comentário

  1. mario disse:

    sr, joaquim entenda,,, o problema nao ê de dzarmar arenamo para a paz duradora em moçambiq, é afrelimo aceitar ideia dos outros antes de comfusao,, aideia de mdm nem da renamo mesmo saja boa, se aceitaçe antes de comfusao nao haveria vala comum

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
%d blogueiros gostam disto: