POLÍTICA

Dhlakama sofre mais um atentado em Gondola

Numa conferencia de imprensa havida hoje na capital do país, Maputo. o deputado e porta-voz do maior partido da oposição no país, António Muchanga, avançou que Militares das FDS espancaram populares do Distrito de Gondola, alegando que os mesmos estavam protegendo o líder da “perdiz”.

“Esta manhã, hoje, 02 de Outubro, as tais forças combinadas, fazendo-se transportar em sete viaturas, chegaram a Chitaka, localidade de Mpindanhanga, distrito de Gondola, onde atacaram as populações locais, acusando-as de proteger o presidente Afonso Dhlakama”, afirmou hoje, em conferência de imprensa, o porta-voz da Renamo, António Muchanga.

Estas movimentações, prosseguiu Muchanga, resultaram em confrontos com as forças da Renamo.

Segundo o porta-voz do partido da oposição, os sistemáticos e alegados atentados e ataques ao líder do movimento e outros membros do partido podem resultar em confrontos de maior proporção, com consequências imprevisíveis.

António Muchanga disse que Afonso Dhlakama está bem, escusando-se a indicar o seu paradeiro, depois de em entrevistas anteriores ter afirmado que se encontrava algures na província de Manica.

Dhlakama não é visto em público desde o passado dia 26, quando a sua caravana se envolveu num incidente no distrito de Gondola, que o partido considerou ter-se tratado de um ataque das forças de defesa e segurança.

O Governo afirmou, por seu lado, que estas se deslocaram ao local apenas para repor a ordem, acusando a escolta do líder da Renamo de ter matado o motorista de um carro de transporte passageiros.

A Renamo afirmou que resultaram deste incidente sete mortos entre a comitiva de Dhlakama e dezenas entre os alegados atacantes, um balanço bastante abaixo dos 24 divulgados pelo Governo, 23 elementos da oposição e um civil.

Na terça-feira, a polícia anunciou a abertura de um processo criminal, por homicídio do motorista da viatura de transportes, contra o líder da Renamo, cujo porta-voz já reagiu, considerando que se trata de “uma palhaçada” e questionando quem vai acusar os autores das alegadas 23 mortes dos homens da oposição.

Este é o segundo incidente em menos de duas semanas que envolve o líder da Renamo, depois de no passado dia 12 de Setembro a comitiva de Dhlakama ter sido atacada perto do Chimoio, também na província de Manica.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

1 Comentário

  1. Jose Alfredo disse:

    Aprecio este canal

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
%d blogueiros gostam disto: