POLÍTICA

Renamo diz que Afonso Dhlakama só sai das matas após acordo com Governo

A Renamo disse na quarta-feira que o seu líder só sairá “das matas” se houver um acordo sobre descentralização e a integração dos homens armados do principal partido da oposição moçambicana nas Forças de Defesa e Segurança.

“Enquanto não houver conclusões das negociações em curso e não ficar claro que modelo de governação nós queremos e que modelo de Forças de Defesa e Segurança (FDS) queremos ou vamos ter, torna-se muito complicado o presidente Afonso Dhlakama sair das matas, porque pode acontecer uma fatalidade”, disse a chefe da bancada parlamentar da Renamo (Resistência Nacional Moçambicana), principal partido da oposição, Ivone Soares.


Segundo o diário O País, Ivone Soares enunciou as condições necessárias para que Afonso Dhlakama abandone o seu refúgio na serra da Gorongosa, província de Sofala, centro de Moçambique, em declarações à imprensa na cidade da Beira, capital daquela província, no final de uma visita de trabalho à região.

“Nós queremos celebrar uma saída (de Afonso Dhlakama) que seja uma vitória para todo o povo moçambicano. O recente encontro entre o Presidente da República e o líder da Renamo abre alguma expectativa, cria esperança e encorajamento”, disse Ivone Soares.


A Renamo, prosseguiu, quer que os contactos com o Governo se traduzam em atos, através da aprovação de um pacote legal que preconize a criação de autarquias provinciais e da aprovação de um modelo de integração dos homens armados da Renamo nas FDS.


Afonso Dhlakama vive refugiado algures na serra da Gorongosa, desde que as FDS invadiram a sua residência na Beira em Outubro de 2015, para desarmar a sua guarda.

Fonte: Lusa

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

1 Comentário

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.