POLÍTICA

PRM nega ter atacado a mina de Afonso Dhlakama

A Polícia da República de Moçambique (PRM), ao nível da província central de Manica, negou ontem, quarta-feira (21), o assalto ao estaleiro da empresa mineira SOCADIV, pertencente ao líder do maior partido da nossa pérola do “Atum”, Afonso Dhlakama, mas admite que tenha feito uma operação para a normalização da actividade em Barué, visando impedir o saque de pedras preciosas, avançou a Voz da América (VOA).

A 20 de Agosto, testemunhas contactadas pela VOA, avançaram que as Forças de Defesa e Segurança (FDS) entraram no estaleiro pertencente ao líder do maior partido da oposição e levaram quantidades de turmalinas e quartzo que estavam ali armazenados

O líder da “Perdiz” notificou em carta o ministro dos Recursos Minerais e Energia, Pedro Couto, sobre o incidente, mas não comentou o assunto com a imprensa.

Elsidia Filipe, porta-voz da Polícia de Manica, recusou ontem, que as Forças de Defesa e Segurança tenham ocupado a mina da SOCADIV, mas admitiu que a corporação realizou acções nas proximidades da empresa e nutras minas para evitar o roubo de turmalinas e quartzo aí explorados.

“De forma concreta não assaltamos a mina desta empresa, mas realizamos operações no distrito de Barué, em Nhampassa, para evitarmos actividades ilegais que por vezes têm tido o envolvimento dos homens armados da Renamo, que se misturam com a população”, revelou Filipe, citado pela VOA.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2 Comentários

  1. DAVID MANHIQUE disse:

    Boa trabalho. facao mais investigacois.. paz

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
%d blogueiros gostam disto: