POLÍTICA

Muchanga explica os motivos que levaram a Renamo a não governar em Março

O mês de Março já se foi, mas uma vez o líder do maior partido da oposição no país, Afonso Dhlakama, não conseguiu cumprir o que prometeu.

Alguns analistas moçambicanos alegam que a Renamo não tem capacidade suficiente para governar Moçambique a força. Uma posição que foi prontamente refutada pelo porta-voz e deputado da “perdiz”, António Muchanga, que voltou a repisar o que o seu líder havia falado na entrevista que concedeu ao semanário Canal de Moçambique.

“Neste momento há confrontos muito feios em várias zonas do país. Há confrontos em Tete, há confrontos na Gorongosa. Houve confrontos em Inhambane. O que significa que o povo entende claramente que o prazo pode não ter sido cumprido por causa dessa situação. Porque é preciso defender vidas humanas antes de tudo”, disse Muchanga citado pela DW África.

Loading...

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

9 Comentários

  1. Samuel Alberto Manjate disse:

    Bom dia.
    Gostava de saber afinal de contas qual e a razao desta Guerra, entre os Mocambicanos? Sera dinheiro ou riquezas deste pais que cria estas situacoes? Nao altero absolutamente nada em termos de numero e ideia, mas verdade ha muita coisa que nao esta bem? Somos pais democratico de verdade?

  2. A final de conta os nos partidos oque querem de nós?Porque assim estao impedir os nossos planos mas assim,faz bem gorvenar por sangue?vao governar oquê se estao acabar matar o povo.Ainda queremos construir,emprego etc vamos lutar contra a pobreza todos nós somos moçambicanos e por sua vez somos irmaos

  3. O pior esquecem que sao humanos e que vao morrer e deixar tudo

  4. Moises Tembe disse:

    Para governar, seja o que for, é preciso ter primeiro autoestima. Nem todos tem essa capacidade, porque é uma dádiva divina e não compadece com palhaçada.

  5. Povo é um conjunto de cidadãos de um país, ou seja, as pessoas que, mesmo que constituindo-se de diferentes etnias, estão vinculadas a um determinado regime jurídico, a um Estado. Na linguagem vulgar, a palavra “povo” pode referir-se à população de uma cidade ou região, a uma comunidade ou a uma família. Portanto, para que haja um Estado, é necessário que existência de um povo.

    Será que podemos dizer que Moçambique é independente?

    Os dois partidos precisam ter ainda uma série de conversações em Torno da Paz. Afinal de contas, se hoje estao a matar o prório povo que participal activamente para eleição. Qual é este povo que pretendem Governar?

  6. julio chirinze disse:

    Na verdade nada deve ser feito a forca, o pais já viveu situações alarmantes na guerra de destabilização, se queremos o bem dos moçambicanos, então não os matemos por favor, esses homens só criam luto no seio de população indefeso, mas tudo isso para que? Irmãos saibam que estão a violar a lei ao matar o povo que vos deu o poder de conduzir o pais, para com fins colectivos. Repito o poder que os meus dirigentes tem tem como fins colectivos dos cidadãos!!!

  7. Chirenge disse:

    realizou-se eleições afinal era para o que mesmo? temos passer toda vida a aturar esses fedelhos da renamo? toda população vamo-nos unir para mostrar a renamo o que o povo é capaz de fazer para se defender

  8. Eugénio disse:

    os que fomentam a guerra, deve ser por ainda não foram atingidas as suas familias, pois quando tal acontecer vamos ouvir o calar das armas, porque estaremos de luto nacional, penso que é momento de por a mão na cabeça e reflectir, queremos matar os nossos irmão???

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
%d blogueiros gostam disto: