POLÍTICA

FMI descobre terceiro empréstimo secreto do Governo moçambicano

O Governo de Moçambique autorizou um empréstimo de mais de 500 milhões de dólares a uma empresa pública, o que, agregado aos créditos às empresas Ematum e à Proindicus, avançou o jornal inglês Financial Times (FT).

De acordo com uma fonte não identificada, para além das obrigações da Ematum, no valor inicial de 850 milhões de dólares, e do empréstimo à Proindicus no valor de 622 milhões, em 2013, há ainda um terceiro empréstimo cujo valor ultrapassou os 500 milhões de dólares, todos tratados pelo Credit Suisse e pelo russo VTB Bank.

Responsáveis do Fundo Monetário Internacional citado pelo jornal Financial Times, avançaram que nunca um governo africano escondeu tanta informação à organização.

“É provavelmente um dos maiores casos de fornecimento de dados imprecisos por um governo de um país africano ao FMI nos últimos tempos”, disse uma fonte do FMI citada pelo jornal, que continua: “Eles deliberadamente mantiveram escondidos de nós empréstimos no valor de pelo menos mil milhões de dólares ou mais.”

A mesma fonte advertiu que Moçambique está perto de uma crise financeira se as autoridades não tomarem medidas para lidar com os riscos actuais”.

O responsável pelo FMI, referido pelo FT, advertiu ainda que outros doadores podem vir a congelar desembolsos entre 350 milhões e 400 milhões, “o que pode levar a uma crise fiscal e na balança de pagamentos”.

Para tentar esclarecer a situação o primeiro-ministro moçambicano, Carlos Agostinho do Rosário, viajou de emergência para Washington e deve reunir-se ainda hoje com o Fundo Monetário Internacional.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
%d blogueiros gostam disto: