POLÍTICA

“O Governo tem apetite para matar” diz Lutero Simango

Os comandados por Daviz Simango, juntaram-se ao coro de críticas que condena as duas emboscadas executadas pelas forças governamentais contra o líder do maior partido da oposição em Moçambique, Afonso Dhlakama, no dia 25 de Setembro em Zimpinga, no Distrito de Gondola, Província de Manica, centro do país e, o assalto à sua residência na Beira. Lutero Simango, chefe da bancada do MDM, disse ontem no parlamento que os incidentes de Manica e da Beira são inaceitáveis em democracia e revelam que a reconciliação é quase inexistente.

“Os incidentes organizados em Manica e na Beira mostram o apetite que existe em matar”, disse Lutero Simango citado pelo Canal de Moçambique

Lutero-Simango

 

O MDM criticou o uso da violência como instrumento do exercício da política. No seu discurso, o chefe da bancada parlamentar do MDM solidarizou-se com as famílias que perderam os seus parentes em diferentes incidentes militares.

Há relatos sobre vários jovens das Forças de Defesa e Segurança que perderam vida nas matas, na empreitada de caça a Afonso Dhlakama. Os corpos não foram entregues aos familiares e apodreceram nas matas, tendo o governo optado por ocultar tais mortes.

“Basta de usarem os nossos jovens como comida para canhões, levando muitos a mortes ocultadas nas matas deste país. Essas matas não devem servir de túmulo clandestino dos nossos jovens, devem ser locais de produção de comida para acabar com a malnutrição crónica a que estão sujeitas milhares e milhares de crianças. As nossas matas devem ser transformadas em locais de rendimento económico e não em cemitérios clandestinos”, sentenciou Lutero Simango.

 

CANALMOZ

 

 

 

 

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.