POLÍTICA

“Não podemos andar a perseguir políticos” diz Daviz Simango

O líder do segundo maior partido da oposição em Moçambique, Daviz Simango, falava após desembarcar no Aeroporto internacional de Nampula, onde vai se inteirar sobre o processo de eleição do novo delegado político provincial.

O presidente do Movimento Democrático de Moçambique (MDM) reiterou a necessidade de haver um diálogo político permanente, daí que apela ao líder do maior partido da oposição em Moçambique, Afonso Dhlakama, aceitar o diálogo.

Daviz Simango1

“Que o líder da Renamo esteja seguro, que o líder da Renamo venha para o trabalho normal da sua vida partidária.

No entanto, que encontre-se o espaço urgentemente entre o chefe do estado, o líder da Renamo e outros actores no sentido de ultrapassarmos esse diferindo político. Mas por outro lado é preciso que o nosso país adote mecanismos que possam prevenir esse tipo de situações”, disse Daviz Simango em conferência de imprensa.

Numa outra abordagem, o líder do MDM, repudiou os discursos belicistas do líder da “perdiz” e da presença de homens armados da Renamo e, frisou ainda que em Moçambique não há espaço para guerra.

“É preciso garantir que os interesses colectivos sejam assegurados, estando presentes todos actores, quer políticos, quer civis. O importante é que não voltemos a situações de guerras.

Por que a Guerra mata, a guerra destrói e, também não podemos andar a perseguir políticos”, acrescentou Simango.

Importa referir que na visita de dois dias de trabalho na província de Nampula, Daviz Simango vai reunir-se com os seus membros para se inteirar das atividades do partido.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
%d blogueiros gostam disto: