POLÍTICA SOCIEDADE

Governo quer investir 500 milhões para ultrapssar a crise da TDM : Será?

Nas últimas duas semanas, a em­presa Telecomunicações de Moçam­bique (TDM) foi alvo de uma visita do Primeiro-Ministro, Carlos Agostinho de Rosário, e de uma reestruturação em consequência da crise em que a empre­sa se encontra – trata-se, grosso modo, de um fóssil analógico num mundo cada vez mais digitalizado…

Na década de 1990, a empresa só teve a visão de, juntamente com o Instituto de Gestão das Paticipações do Estado (IG­EPE), criar a mCel, a primeira operado­ra de telefonia móvel de Moçambique, que era o futuro das comunicações de voz.

Sendo accionista maioritário da mCel (com 74%) e detendo o monopólio, a TDM aparentemente não percebeu, mesmo com a entrada da Vodacom (em 2003), que tinha de se reinventar para continuar a ser competitiva no mercado. Não tendo apostado num in­vestimento que podesse tornar a em­presa imprescindível para o mercado, a companhia de telefonia móvel parou no tempo e deve ser resgatada pelo Gov­erno moçambicano.

“A TDM, praticamente, parou no tempo e, consequentemente, está a viver esta crise. Assim, nos próximos dias, será feita uma análise detalhada para apurar em quê exactamente serão aplicados os 500 milhões de dólares que é preciso para revitalizar a TDM”, admitiu aos jornalistas o ministro dos Transportes e Comunicações, Carlos Mesquita, no fim da visita que o Primeiro-Ministro fez àquela empresa.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
%d blogueiros gostam disto: