POLÍTICA

“FDS estão envolvidos no atentado contra Dhlakama” garante Testemunha

Depois de várias controversas em torno do incidente envolvendo a comitiva do líder do maior partido da oposição em Moçambique, Afonso Dhlakama, no Distrito de Gondola, Província de Manica. “Nativo” decidiu quebrar o silencio.

No passado dia 28 de Setembro, o comandante da Polícia ao nível da província de Manica afirmou que os homens da Renamo disparara-se entre se.

“O mais presumível é que a troca de tiros tenha sido entre os próprios militares da Renamo, na sequência do primeiro tiro dado pelo homem que estava atrás da caravana”, disse Armando Canhenze, comandante da polícia de Manica citado pela Lusa.

Na altura Armando Canhenze disse que o primeiro tiro teria assustado a força da Renamo e, os mesmos terão entrado em pânico.

Dois dias depois do incidente, a equipe do DW África resolver voltar ao local do incidente para tirar tudo a limpo.

No entanto, uma testemunha do ataque teve uma versão diferente a da Polícia da República de Moçambique (PRM).

Em contacto com a DW África, Félix Luís guarda de uma empresa que acolheu muitos populares em fuga, disse que momentos antes de ocorrer o incidente viu muitos carros com forças governamentais na região do incidente.

“Eu estava aqui em casa e vi 15 carros a subir a montanha. Fui para lá, tentar ver, e um vizinho disse-me que havia uma confusão”, conta Félix Luís, que acrescenta, sem hesitar, que os veículos “eram da FRELIMO”.

“Estavam cheios de pessoas da FRELIMO, que não estavam fardados. Estavam à civil, traziam armas, e mal subiram a montanha começámos a ouvir os tiros”, disse Félix citado pela DW África.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.