NOVIDADES

Julgamento por críticas a Guebuza ridiculariza a justiça moçambicana

O julgamento de Carlos Nuno Castel-Branco e o editor do jornal Mediafax, Fernando Mbanze havido na segunda-feira passada, no Tribunal Judicial do Distrito de Kampfumo, província de Maputo, foi severamente criticada pela Amnistia Internacional.

 “Ela ridiculariza a justiça e viola a liberdade de expressão”, considerou a Amnistia Internacional.

O economista moçambicano Castel-Branco está sendo acusado por crime contra a segurança do Estado e Veloso e Mbanze pelo crime de abuso de liberdade de imprensa.

“Estas acusações são uma violação do direito à liberdade de expressão e uma táctica clara do governo para reprimir as vozes discordantes”, disse Muleya Mwananyanda, directora adjunta para a África Austral da Amnistia Internacional (AI).

Refira-se que que no passado dia 13 de Agosto a AI lançou uma petição na internet em defesa do direito à liberdade de expressão dos dois acusados.

 “Carlos Nuno Castel-Branco estava apenas a expressar a sua opinião acerca da situação no país. Fernando Mbanze estava simplesmente a fazer o seu trabalho ao publicar a opinião no seu jornal. As autoridades moçambicanas têm de deixar de tomar pessoas como alvo unicamente por exprimirem as suas opiniões”, disse Muleya Mwananyanda.

Loading...

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
%d blogueiros gostam disto: