POLÍTICA

“A UIR (FIR) atacou a coluna da Renamo” Egidio Vaz

O atentado contra a comitiva do líder do maior partido da oposição em Moçambique, Afonso Dhlakama, continua a dar que falar.

A PRM ao nível da província de Manica já havia avançado que o referido ataque teria sido perpetuado por bandidos e não pelos agentes da PRM e UIR.

Ontem, Segunda-Feira, a Frelimo por intermédio do seu porta-voz, Damião José, avançou que a Renamo não sofreu atentado nenhum e, que tudo não passava de simulação para arranjar pretexto para criar instabilidade no país.

12009769_1681714392047549_8098016461984610650_n

Hoje, o jurista Egídio Vaz, para o abano de toda verdade, resolveu deixar tudo em pratos limpos. A seguir você vai saber em detalhes o que aconteceu naquela noite do Sábado. (O texto abaixo não sofreu qualquer tipo de alteração, foi retirado do mural do jurista Egidio Vaz)

“Falei com o jornalista que esteve no ataque e confirmou-me que: A coluna do Presidente Dhlakama era composta por pelo menos 16 carros.
O presidente Dhlakama mudara da posição do carro em que vinha do primeiro para terceiro muito antes do local da emboscada. Provavelmente deve ter sido esta a sua sorte, uma vez que normalmente o seu carro é que segue em frente.
O motorista da viatura sinistrada do carro que ia em frente foi quem mais sofreu, com balas a atingir a zona do tórax. Outros soldados da Renamo sofreram no braço e pé, respectivamente
Não foi possível verificar os feridos da outra parte porque quando este jornalista corria para apurar, um outro carro, HardBody branco idêntico ao da Renamo arrancou em grande velocidade.
Tendo chegado em Chimoio, o Hospital não recebeu “ninguém” ferido deste atentado. Na verdade, os soldados da Renamo foram primeiro à casa do Presidente da Renamo. Provavelmente deve ter sido lá que obtiveram os primeiros socorros. E provavelmente os da UIR devem ter sido canalizados para outros hospitais.
O fogo da UIR veio do lado esquerdo da coluna. O fotógrafo de Afonso Dhlakama encarou um dos polícias que lhe apontara a arma à testa. Mas não o matou porque não era o alvo.
CONFUSÃO DA POLICIA
Logo que o atentado teve lugar, um jornalista recebeu uma chamada de alguém informando-o que a coluna de Dhlakama envolveu-se “num acidente de viação”. Na verdade, os perpetradores desta macabra emboscada não sabiam que na coluna vinham jornalistas. Mas logo que se aperceberam disto, a Policia mudou do discurso para dizer que se tratavam de bandidos que eventualmente teriam atacado a coluna. Na verdade, os jornalistas que vinham na coluna já tinham enviado despachos para a Lusa, Savana e outros canais. Ou seja, VERDADE, VERDADEIRA, A UIR atacou a coluna da Renamo(1).
PS: tentei falar com o senhor Sabado Malendza para lhe confrontar com factos, ele insiste em desligar na minha cara”.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

1 Comentário

  1. Nelson disse:

    Dizem k Mozambique nao ha luta Mas oki kr diser com essas emagens k eu tou a ver aki no internet ontem ha um meu primo k ta em tete diz k nao ha carro k sai pra Maputo Mas pra ke isso.

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
%d blogueiros gostam disto: