A

POLÍTICA

“Estou cansado de apagar o fogo da fúria popular” diz Afonso Dhlakama

O líder do maior partido da oposição em Moçambique, Afonso Dhlakama, diz que está cansado de apagar o fogo da fúria popular e lembrou que a Frelimo tem 60 dias para negociar o projecto de autarquias provinciais no centro e norte do país, avançou a agência Lusa.

“Tenho dito não, não à população. Não fechar estradas, não correr com o governador, não correr com o administrador, mas até quando?” questionou o líder do maior partido de oposição, em declarações à Lusa, no Chimoio.

Dhlakama

“Não nasci para apagar o fogo, quando o regime da Frelimo rouba e faz brincadeira e tudo”, afirmou Dhlakama, referindo-se a uma alegada fraude eleitoral nas eleições gerais de 15 de Outubro e ao chumbo do projecto da Renamo de criação de autarquias provinciais, como forma de ultrapassar a crise política com a oposição.

A maioria parlamentar da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) chumbou no final de Abril o projecto de lei para a criação de seis províncias autárquicas, onde a Resistência Nacional Moçambicana (Renamo) exigia governar, justificando que ganhou as eleições nestas regiões.

“Dei dois meses para que de facto o povo começasse a ver a governação [da Renamo]. Os dois meses significam 60 dias de renegociação com o regime da Frelimo, e quero acreditar que a Frelimo também não queira de facto violência, porque o problema não é de Dhlakama, é da população destas províncias”, declarou o presidente do maior partido da oposição, avisando os dirigentes da maioria para que “reflictam enquanto é cedo”.

Dhlakama voltou a manifestar-se disponível para um acordo com o Governo, acreditando que o Presidente, Filipe Nyusi, também está contra a violência e nada está ainda perdido.

Para o líder da Renamo, não há motivos para recuar na exigência da criação das províncias autónomas, por considerar que o projeto serve as populações das províncias de Manica, Sofala, Tete, Zambézia (centro) e Nampula e Niassa (norte), onde vivem mais de metade dos cerca de 25 milhões de moçambicanos.

 

 

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
%d blogueiros gostam disto: